La Casa De Papel” está de volta pra alegria de muitos. Após a minissérie se tornar um grande sucesso mundialmente ao ser comprada pela Netflix, os ladrões mais queridos do mundo estão mais uma vez em ativa na vida perigosa dos crimes.

A trama se inicia após os acontecimentos do roubo à Casa da Moeda, onde Arturo se torna um apresentador e fala o que presenciou no roubo onde foi refém e dá sua opinião(muito errada por sinal) de onde e como acha que os ladrões estão vivendo.

Diferente dos pensamentos do antigo refém, agora apresentador, os ladrões estão vivendo suas melhores vidas nos 4 cantos do mundo. Pelo menos até o momento em que a série se inicia.

2 anos vivendo no Caribe, com uma vida bastante pacata ao lado de tribos, Tóquio e Rio aparentavam viver os últimos dias de suas vidas, curtindo o momento de “paz” ali, longe da polícia ou de qualquer outro perigo, até que, como era de se esperar, o primeiro ponto principal pra série se iniciar é apresentado.

Tóquio parece estar cansada da calmaria em que está vivendo e decide ir atrás do “barulho” das festas, mas sem o Rio. Poucos dias depois de ficar sozinho na ilha, o hacker tem a pior decisão e liga pra sua companheira, o que faz com que sejam percebidos pelas forças inteligentes, dando início ao ponto chave de um novo começo, o assalto ao Banco da Espanha.

Tóquio, Denver, Estocolmo, Helsinque, Nairóbi, Lisboa(a policial) e o Professor dão início à um plano suicida, onde pretendem chamar a atenção do Estado, trazer o Rio(que foi preso e está sendo torturado pela polícia, sem julgamento) e óbvio, fazer aquele icônico assalto com que já estamos acostumados.

Nesta temporada, temos muito mais ação, drama e um cenário totalmente diferente, que tenta misturar até mesmo o humor em algumas partes da trama. Antes de iniciarem o assalto, temos uma breve história, onde explicam e ligam os pontos das regras com o que estão prestes à fazer: um assalto 2 vezes maior e mais difícil que o anterior.

Resultado de imagem para la casa de papel

A Lisboa, tenente que se tornou uma da equipe dos mascarados, é substituída pela malévola e um tanto quanto divertida Sierra. Se antes tínhamos fãs à favor da polícia, agora, o roteiro faz não só ficarmos à favor dos ladrões, como também odiarmos a polícia, que joga sujo e tem podres revelados durante a 3ª parte.

Finalizando o roteiro, temos uma história totalmente necessária. Quando terminamos a parte 1/2, pensávamos que era um tiro no sapato lançar mais uma temporada, já que os ladrões tinham finalizado o assalto à Casa da Moeda, mas com essa temporada? Temos uma história, um enredo bem contado e que tenta ao máximo se distanciar das primeiras temporadas. A forma do planejamento do assalto, do roubo, da polícia e dos ladrões é diferente e te prende à cada segundo.

Fotografia? Extremamente impecável. O verde, azul e vermelho aqui é sem dúvidas um dos mais lindos que já presenciamos. As cenas no Caribe ou até mesmo dentro do cofre aquático é simplesmente surreal, fazendo com que fiquemos boquiabertos não só pelas cores vivas em momentos de alegria, mas também escuras e cinzentas nos momentos de tensão e cenas de mortes muito mais reais e comotivas quanto às primeiras partes.

O jogo de câmeras são um dos melhores já vistos pela Netflix, comparados até mesmo com os de “A Maldição da Residência Hill“, onde tentam colar cenas entre pequenos frames iguais. Espetacular!

Atuação está sem dúvidas aprimorada. Mesmo os figurantes tendo uma performance RIDÍCULA(e não exageramos), os protagonistas e coadjuvantes fazem muito mais que o proposto para seus papéis, em especial a Nairóbi, Rio e Denver.

Já na trilha sonora, temos as memoráveis canções “Bella Ciao” e a tema “My Life Is Going On“, fora as novas músicas que foram adicionadas à soundtrack, melhorando ainda mais à ambientação da série.

A série tem um “final” digno de aplausos, fazendo você roer as unhas pela próxima e provável última temporada, a Parte 4.

No geral? Com uma fotografia impecável, roteiro mais divertido e atuação melhorada, “La Casa De Papel” volta como uma das melhores séries do ano e uma das melhores produzidas pela Netflix.